quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Tábua das Esmeraldas


Agbo ato.
Para rever a especulação de Baba sobre a natureza existencial da história humana, há uma coisa chamada Tabua de Esmeralda escrita por um sábio egípcio. Essas tábuas descrevem uma civilização avançada chamada Atlântida e incluem descrições da antiga sabedoria oculta e da ciência paleo. De acordo com as tabuas, essa cultura foi destruída por um dilúvio global que ocorreu há 12 mil anos. Após o dilúvio, o faraó Akhenaton fez parte de um esforço global para recuperar essa antiga sabedoria. Seu esforço foi combatido pelos sacerdotes do templo que substituíram a sabedoria antiga por uma visão de mundo própria. Esses sacerdotes rejeitaram a sabedoria de Akhenaton e ele se tornou Moisés ou compartilhou essa sabedoria com Moisés. De qualquer maneira, as Esmeralda se mudaram do Egito para Canaã, onde elas se transformaram culturalmente no que é historicamente conhecido como a Sabedoria de Salomão. Esta sabedoria foi usada para construir o Templo de Salomão e a peça-chave da tecnologia sagrada dentro do Templo era a Arca da Aliança. Segundo o dogma religioso, a Arca da Aliança foi usada para guardar os Dez Mandamentos e as Tábuas do Destino. A Bíblia sugere que as tábuas que contêm os Dez Mandamentos foram quebradas por Moisés, mas não nos diz o que estava nas outras tábuas.
Quando o povo governado por Salomão foi atacado, a Arca da Aliança foi levada de Jerusalém para Axum, no país que agora chamamos de Etiópia. Esta parte do mundo era um importante guardião da antiga sabedoria da Atlântida. A compreensão da Atlântida foi reforçada pelos descendentes de Moisés quando os descendentes de Salomão foram obrigados a viver na Babilônia, onde se dedicaram à tradução de antigas tábuas de argila da Suméria. Essas tabuletas de argila são o registro mais extenso da antiga sabedoria oculta e da ciência paleo já descoberta desde a época do dilúvio. Eles também são claramente a fonte para a maioria das histórias nos cinco primeiros livros do Antigo Testamento ou da Torá.
Então agora chegamos a um grande pivô nessa história. Esse pivô vem como resultado das ambições de um jovem que a história chegou a chamar Alexandre o Grande. Cerca de 2.300 anos atrás ele abraçou a ideia de uma nova ordem mundial e ao reunir um exército formidável tornou-se o rei da Macedônia, criou a Liga Helênica da Grécia, tornou-se o faraó do Egito, o rei da Pérsia e o senhor da Ásia. Claramente evidente que o jovem tinha habilidades como líder militar. O que talvez seja menos evidente é que seus esforços para conquistar o mundo pareciam ter se baseado em seu desejo de recuperar a sabedoria dos antigos mais do que um desejo de ambições políticas. Sua educação veio de um homem chamado Aristóteles, que estudava os primeiros filósofos gregos. Esses filósofos afirmaram ter estudado no que história chama as escolas de mistério egípcias. A academia nunca explica as escolas de mistério egípcias porque elas estão enraizadas na preservação da antiga sabedoria oculta e da paleo ciência que a academia diz que não existe.
Para encurtar uma história longa e complicada, Alexander mudou-se do leste da Grécia para a fronteira do que hoje chamamos de Índia. Ao longo do caminho, ele reuniu todos os livros sobre a antiga sabedoria oculta e paleo ciência que ele poderia encontrar. Quando ele tentou entrar na Índia, a história fica estranha. Nas palavras do próprio Alexander, seu exército é rechaçado por máquinas voadoras que atiram contra seu exército com feixes de luz.
Quem sabia?
Novamente para encurtar uma longa história, o exército de Alexandre se revoltou depois de anos longe de casa. Alexander então morre de uma doença ou veneno. Para os propósitos de nossa exploração da história, o ponto importante é este; A informação que Alexandre acumulou foi reunida em uma enorme biblioteca no Egito, na cidade de Alexandria, e Alexandre foi enterrado em um túmulo público na mesma cidade.
Por enquanto, tudo bem.
Aqui está o pequeno ponto discutido que quero fazer; A mãe de Alexandre, a sra. Olympias Neoptolemus, de Épiro, era um membro devoto do culto orgulístico de culto a Dionísio. Isso significa que ela era uma Rainha Dragônica hereditária que se especializou nos rituais sexuais que criaram estados alterados de consciência comumente chamados de tantra. Sua posição e título significavam que Alexandre era um rei Dragão. Os antigos gregos compreendiam o papel dos dragões no processo de ativação das pirâmides e templos da pedra sagrada. Eles também entenderam que sua compreensão desse processo era limitada e sob a direção de Aristóteles foi atrás das fontes ocultas dessa informação com uma vingança.
Isso poderia ter sido uma coisa boa. Infelizmente, Alexandre morreu e seus asseclas começaram a brigar por quem ficaria encarregado de várias partes do reino recém-criado. Como consequência deste conflito, os reis dragões da Babilônia, Suméria, Pérsia e Egito foram substituídos por governantes gregos que não tinham nem o sangue hereditário dos reis Dragões e para simplificar um pouco a história, não estavam aparentemente interessados nas iniciações que dariam acesso à habilidade de usar antigos templos de pedra e pirâmides como fontes de sabedoria e cura.
Neste ponto, duas coisas importantes para a história que estou contando ocorreram. O sacerdócio tradicional do Egito, que preservou os mistérios associados ao faraó Akhenaton, deixou as principais cidades do Egito e construiu mosteiros nas remotas montanhas do deserto a oeste do Nilo. Este grupo veio a ser conhecido como gnósticos egípcios. As ambições políticas de Alexandre resultaram na sobrevivência de um remanescente rei Dragão que manteve a linhagem dos dragões na cidade de Edessa, perto de Jerusalém. Ele sobreviveu porque seu reino era pequeno e Alexandre parece ter passado por ele na estrada para a Índia.
Entender o papel histórico e as realizações dos reis de Edessa é essencial para nossa compreensão da supressão da sabedoria oculta e da antiga paleociência. Como o último remanescente hereditário e iniciado, o Rei Dragão, o Rei de Edessa, foi considerado, entre muitos dos cidadãos do recém-criado Império Grego, o cara. Naqueles dias, ser o cara era um grande negócio.
Mais sobre isso na próxima vez.

Ire
Baba

Awo Falokun
Tradução Odé Olaigbò

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.