sábado, 1 de dezembro de 2018

Òtúrá mèjì


Òtúrá mèjì nos fala nesse Ẹsẹ Ifá:

Gbolu, era um agricultor. Suas colheitas do ano passado foram um fracasso puro. Ele não podia explicar por que, mas todas as culturas plantadas no ano passado não correram bem. Ele perdeu pesadamente.
Cheio de frustração e decepção ele estava pensando em entrar em outra linha de negócios.
Como resultado da fraca colheita, ele devia a um monte de gente muito dinheiro. Foi por isso que ele foi para casa de seu Awo para ver se ele precisava continuar na agricultura ou mudar para outro ramo de negócio. Ele sentiu que a agricultura era um negócio muito arriscado. Ele estava convencido dentro de si mesmo que ele iria seguir o que Ifá lhe pedisse para fazer. Quando Ifa foi consultado Òtúrá mèjì foi revelado.
Ifá assegurou a Gbolu que ele triunfaria em grande escala este ano. A ele foi dito que não mudasse de negócio este ano, pois, o sucesso estaria vindo através deste próprio negócio que ele vinha fazendo. O Áwo lhe disse que a agricultura seria muito benéfica este ano. Ele foi aconselhado a continuar com seu cultivo de inhame. A ele também foi dito que não vendesse seu inhame de jeito nenhum. A ele foi pedido que convertesse tudo em Elubo, farinha de inhame e a guardasse. O Áwo lhe disse que seria através da venda de farinha de inhame que o sucesso viria. No entanto ele foi advertido a não anunciar seu sucesso quando ele chegasse.
Gbolu foi aconselhado a oferecer ebo com dois pombos, dois galos e dinheiro. Também foi aconselhado a alimentar Èşù Òdàrà com um galo grande e azeite de palma. Gbolu obedeceu a todas as recomendações do Áwo.
Neste ano, Gbolu teve uma colheita abundante. Ele se recusou a vender seu inhame. Ele e sua família estavam ocupados em secar os inhames para transformar em farinha, Elubo, enquanto os outros agricultores estavam vendendo suas colheitas. Em seguida houve uma fome, as fazendas secaram, as outras culturas foram destruídas.
Houve escassez de alimentos. As pessoas correram para a casa de Gbolu, para que ele vendesse Elubo, ele não estava com pressa em fazer a venda.
As pessoas vinham suplicando, Gbolu não estava pronto e eles multiplicavam os preços dos alimentos por eles mesmos, somente para poder garantir seus alimentos em casa. Foi quando Gbolu ficou pronto.
Quando ele concordou em vender o preço de seu produto tinha se multiplicado várias vezes. Ele se tornou um homem de sucesso rapidamente. As pessoas viram sua previsão. Não havia nada que ele desejasse que ele não conseguia.
Um dia Gbolu olhou ao redor e se deu conta de que não havia nada em sua comunidade que seu sucesso não tivesse tocado. Ele concluiu que este milagre em sua vida devia ser apreciado e a única maneira de fazer isso era desejar o mundo saber que ele não era uma pessoa mal-agradecida.
Para tanto ele começou a cantar:

Gbolu estava dançando e cantando em agradecimento pelo que Òlódùmarè havia feito por ele. Ele disse que o pássaro Àtíòro tem várias cores de penas em seu corpo.
Por que se não fosse por Òlódùmarè, está ave seria como outra qualquer. Ele se comparou a este pássaro por que Òlódùmarè foi quem lhe deu uma boa colheita e a previsão e se não fosse por isso, ele seria mais um a lutar por comida como qualquer outro cidadão.
No entanto, quando aqueles que o invejavam escutaram este canto, eles consideraram Gbolu um arrogante e orgulhoso. Eles disseram que ele estava tirando sarro de seu infortúnio. Eles se juntaram e juraram ensinar-lhe uma lição que ele não esqueceria jamais. Parte do plano seria incendiar sua casa para arruinar sua fazenda e logo depois bater nele e em sua família severamente. Se algum deles morresse durante o ataque eles disseram que seria bem feito. Eles definiram o tempo de ataque para ser realizado em cinco dias.
Assim que os conspiradores concluíram seus planos, Èşù Òdàrà se aproximou de Gbolu e o repreendeu por não ter escutado o conselho que o Áwo havia lhe dado. Ele informou à Gbolu que sua canção o havia colocado em perigo porque todos os seus inimigos estavam planejando arruína-lo. Èşù o aconselhou a mudar a canção imediatamente. Èşù deixou claro para Gbolu que por ele ter lhe dado um galo como ebo, ele não poderia permitir que os inimigos de Gbolu o arruinassem, pelo gesto de Gbolu, Èşù havia se tornado seu amigo. Èşù lhe prometeu que estaria junto a ele até o final. Gbolu lhe deu graças e começou a cantar a nova canção:

Ele cantou e dançou por todas as esquinas da comunidade, os conspiradores o ouviram em alta conta e claramente. Nenhum deles podia encontrar sentido em sua nova canção.
Èşù Òdàrà foi se encontrar com os conspiradores onde eles estavam conversando sobre sua nova ação. Ele lhes disse que Gbolu havia sido informado de seus planos por um deles e que Gbolu havia ido se reportar as autoridades apropriadas.
Se eles haviam feito algo de mal a Gbolu, Èşù os advertiu que todos eles seriam presos por que todos os seus nomes haviam sido mencionados pelo traidor. Quando eles escutaram isto, a suspeita mutua escorregou entre todos. Eles já não podiam confiar um no outro. Eles se dispersaram em grande confusão. Gbolu e sua família viveram para desfrutar de suas riquezas e do novo status adquirido pelo resto de suas vidas.

Opeere a bi leu l’aya
Awo Gbolu lo dia fun Gbolu
Gbolu nlo s’oko alero l’odun
Ebo ni won ni ko waa se
O gb’ebo, o ru’bo
Nje Baba ad’eda, Ifa gba wa o o
Baba ad’eda o
Asanwewe, Awo al’aitoro
Baba ad’eda, Ifa gba wa o
Omo-sanda, Ifa gba wa o o
Omo sanda
B’iku ba n sa ‘ke
T’arun n ho ‘kun l’óde
Omo sanda, Ifa gba wa o

Opeere a bi leu l’aya
Foi o Awo que lançou Ifa para Gbolu
Quando ele estava indo para a temporada de plantio anual
Ele foi aconselhado a oferecer ebo
Ele obedeceu
Agora, pai dos milagres, Ifá por favor, venha em meu socorro
Pai dos milagres,
Asanwewe, que agrega belas penas ao corpo do pássaro Àtíòro
Pai dos Milagres, por favor venha e me ajude
Ifá o protetor, por favor venha em nosso socorro
O protetor
Se a morte planeja eliminarmos
E as doenças juram nos atingir
Ifá o protetor, por favor venha em nosso socorro.

Ifá sempre nos incentiva a trabalhar duro e viver desses rendimentos, em Òtúrá mèjì nos exorta a manter nossas coisas em segredo.

Ifá Dida 1
Oluwo Poopola
Tradução: Odé Olaigbò