quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

O Mẹrindilogun e seus Olodù




Mo juba Egbomi e Sacerdotes (todos as pessoas que detém um cargo dentro do culto é um sacerdote) esse tema é do seu interesse.
Vivemos tempos onde todos querem a distribuição do conhecimento guardado a milênios na cabaça do tempo, Sabedores que somos do movimento que se fortalece a cada dia em busca do aprendizado e da sabedoria de nossa cultura. Estaremos dando início a um ciclo de aprendizado em alto nível. Formaremos um seleto grupo de 25 pessoas, que irão estudar os segredos mais bem guardados do mẹrindilogun (jogo de búzios), onde vocês irão conhecer os 16 principais Olodù, vamos municia-los de muitos fundamentos e em várias determinantes do oráculo, tais como:



*      -Como decifrar e conhecer os 16 Agba.
*      -Como identificar o problema do suplicante dentro do Odù,
*      -Identificar o itọn contido no Odù,
*      -Identificar os tabus, o ebo e conselhos que são passados dentro do itọn.
*      -As caídas e suas ‘falas’ através do Odù e do òrìşà.
*      -Como decodificar e montar o ẹbợ contido na caída dos búzios.
*      -Conhecer os animais e sua finalidade dentro de um ẹbợ.
*      -Os ingredientes e suas finalidades: Banha de ori, as favas e muito mais.
*      -As comidas secas.
*      -O grande segredo do Àkàsà e do Ekó.
*      -O segredo da folha da bananeira.
*      -As penas, como e quando usá-las, o que representa cada uma.
*      -As folhas (panorama geral)
*      -Como preparar um wẹ (banho) com ose dudu.
*      -As várias formas de se preparar um ose dudu (sabão da costa).
*      -Quando e como identificar o Bori para o suplicante.
*      -Como identificar os ingredientes de um Bori.
*      -Qual a finalidade de cada ingrediente usado (Como não vamos falar de Bori nesse evento, o tema será estudado em uma outra oportunidade).
*      -Como identificar os problemas de uma Ile Ase, quando se abre um jogo pela manhã.
*      -O que fazer quando Ọkànràn é sua primeira caída do dia.
*      Quem é Opira?

Vamos cuidar de uma série de detalhes dentro do mẹrindilogun, como nunca foi cuidado, a ordem é desmistificar por completo.
Nosso palestrante é uma das maiores autoridades em Ifá na Nigéria, Oluwo iniciado na cidade de Ode Remo pelo Àràbà Adesanya:
Ợbàaláse Oluwo Olorí Ợbàtálá Efún Awo Pejù Ifáşina Ifárunợla Ifábajo Awoyade Adesanya, Willer de Almeida.
http://www.efunlase.com/conteudo.php?conteudo=home
- Desde 2000 como Presidente e Sacerdote Ilé Ègbé Efúnláşe Ògbóni Ifá Ati Ợbàtálá - Brasil.
- Desde 2000, Oluwo Olorí Ợbàtálá (nome de iniciado - Efún Awo Pejù Ợbàtálá) tornou-se membro da sociedade Ògbóni, da cidade de Ire Ekiti – Nigéria África, sendo hoje Oluwo Ogboni.
- Desde 2005, Babalawo Ifá e membro do culto de Ọrúnmìlà iniciado pelas mãos do Àràbà Chief Adesanya Awoyade e dos Oluwo presentes:

- Ifaniyi Adiodun Ogunleye
- Ifalola Ifalolu Awoyade
- Odusoga Ifatunmise Oduwole
- Ifadayo Kuti
- Ifamuyiwa Awoyade
- Odutola Ifasesan Oduwole
- Ifajuwon Awoyade
- Ayedun Ifasola Oduwole
- Ifagbayi Ifalolose Adeoso
- Ifadahunsi Awobola
- Adekunle Ifabajo Ayira
- Ifayemi Ifamuyiwa Oduwole
- Ifagbenga Awoyade
- Ifaseun Ogunleye
- Sina Kuti
- Laisi Awoyade

Ijo Esin Ibile Babalawo Ègbé Ifá Ogunti, da cidade de Ode Remo – Ogun State - Nigéria - África (nome de iniciado Ifasina Ifárunợla Ifábajo Awoyade).
- Desde 2007, consagrou-se Oluwo Ifá, através de um ritual onde recebeu a cabaça da existência (Igbadù e Opá Oşú).
- Desde 2008, Ợbàalá (Título de Rei do culto de Ợbàtálá) da cidade de Ode Remo – Nigéria – África.
- Em 2001, ingressou no Ifá International Training Institute.
Chief Oluwo Willer de Almeida exerce profissionalmente as atividades de advogado, empresário, tradutor do Tribunal de Justiça Americano, professor de inglês de nível superior e empresarial, e Funcionário do tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.
Formado no curso de Bacharelado em Direito pela Universidade Gama Filho; pós-graduado pela Universidade de New York – EUA em fonética da língua Inglesa; Pós-Graduado em Cultura Afro Brasileira, pela Faculdade Integrada de Jacarepaguá.

Considero importante mostrar todo o currículo desse grande Ợba/Oluwo/Sacerdote para que possamos ter noção da grandeza de seu ato, do seu desprendimento e do seu respeito ao oráculo sagrado. Onde temos vistos irmãos buscando conhecimento/treinamento e sem conseguir acesso fica à mercê de algumas pessoas não muito confiáveis.
Vamos montar uma turma com aulas aos sábados / Domingos de 9:00 as 12:00 e 14:00 às 16:00.

O valor a ser investido será o seu tempo e dedicação.
As vagas serão limitadas.
Data: 27 e 28 de abril de 2019.
Local: Ilé Ègbé Efunlase Ògbóni Ifá Ati Ợbàtálá.
Praia de Mauá - Magé - Rio de Janeiro

*Não iremos cobrar por aula ou taxa de matriculas, porém, cestas básicas (não importa o valor) serão bem-vindas, pois, serão direcionadas aos mais necessitados, não há obrigatoriedade desta doação.

As inscrições serão feitas no in box.
https://www.facebook.com/ifa.dailha

*As graduações serão confirmadas através de juramentos a divindade oracular.

Ire alaafia

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

O Berço.... continuação! - Ợbàtálá


No sétimo dia, Olódùmarè chamou Ợbàtálá e Ợbàtálá veio.
Prostrou-se de bruços, em frente Olódùmarè.
Então ele se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de retornar para a posição de prostração plana correta diante do trono de Olódùmarè.
Ợbàtálá disse: 
Que você possa usar sua coroa real para sempre. 
Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre. 
Olódùmarè reconheceu a presença de Ợbàtálá agitando um impecável cetro negro. 
“Olódùmarè então disse a Ợbàtálá”, Ợbàtálá, o deus que estará imaculadamente branco para sempre, sua reputação imaculada recebe meu reconhecimento.
Somente alguém com a reputação imaculada pode ser reconhecido como chefe e ser carregado. 
Oh, um irrepreensível, para você especialmente eu reservei o cargo de modelar o corpo humano a partir do barro cru.
Que deve ser perfeito deve ter os olhos, órgãos, dedos, uma forte musculatura e ser feliz.
Porque ele com uma mente saudável poderá fazer com disposição coisas saudáveis.
E somente ele, com músculos fortes poderão procriar o suficiente para povoar a Ayè.
Seus músculos serão fortes, sua mente será saudável, seus dedos serão constantes e seus olhos serão perfeitos.
Ninguém merecesse minha confiança para tão delicada e doce tarefa de projetar a figura humana a partir da argila.
Hoje mesmo, enquanto eu falo, eu lhe concedo a destreza dos dedos de modo que você possa fazer as formas humanas mais complexas.
Eu concedo-lhe a arte das proporções e equilíbrio de texturas, luz, linhas e planos. 
A arte das cores e tons de matizes e valores que você poderá perfeitamente aperfeiçoar a pele para cobrir a carne humana. 
Você se tornará o escultor do Ợrùn. 
Perfeito será o toque, do que quer que você toque.
Todos os seres humanos criados em seu estúdio irão refletir e incorporar a sua própria perfeição.
Sobre o que você deliberar, você vai trazer a pureza imaculada de sua brancura sublime.
15. Porque assim como você deseja a perfeição, eu também desejo e se você quiser que qualquer coisa seja assim, direi sim e assim será.
Porque eu digo que assim será.
16. Agora se levante e vá livre sobre suas incumbências. 
Torne forte, trabalhador e feliz os homens. 
Faça as mulheres bonitas, graciosas e talentosas. 
Torne as pessoas as mais perfeitas possíveis. Torná-los o mais saudável possível. 
Acima de tudo, torná-las tão alegre quanto possível. 
Olódùmarè deu Ợbàtálá à cápsula da arte (ona), que Ợbàtálá imediatamente
ingeriu. 
Além disso, ele deu a Ợbàtálá controle sobre todas as minas de giz (efun). 
Então Ợbàtálá disse: 
Obrigado, meu Senhor. 
É de longe, pior do que roubo, para um ser tão ricamente dotado, não ser eternamente grato. 
Então Ợbàtálá levantou-se feliz e foi sobre seu negócio.
Ele não perdeu tempo. 
Ele imediatamente montou seu local de trabalho e começou a fazer pessoas a partir do barro. 
Ele mostrou a Olódùmarè e Olódùmarè aprovou todos eles e disse que eram bons.
Assim começou a construção do Òrún e do universo por Olódùmarè e os Òrìsà. 
Do nada absoluto.

Epá Baba. Mo juba Orisanlá. òrìsà patapata.

O Berço…Continuação - Ọbàlúwayè





No sexto dia, Olódùmarè. Chamou Ọbàlúwayè e Ọbàlúwayè foi.
Ele prostrou-se de bruços, em frente à Olódùmarè.
Então ele se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de retornar para a posição de prostração plana, diante do trono de Olódùmarè.
Ọbàlúwayè disse:
Que você possa usar sua coroa real para sempre.
Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre.
Olódùmarè reconheceu a presença de Ọbàlúwayè agitando um cetro perfeitamente negro.
Olódùmarè. Então disse a Ọbàlúwayè:
Ọbàlúwayè o arauto, o mais temido dos mensageiros, o bom ou o ruim, a morte ou a vida.
Você que espalha de longe para perto o incêndio, como um boato engraçado.
Você é o curador. Mas você também é a peste.
Você que tem duas faces, por isso usa três.
Aqueles que conhecem o terceiro rosto dizem que é o verdadeiro.
Quando você se move rapidamente como uma mosca de savana, como um cavalo no Harmattan.
É porque hoje, eu te concedo principalmente a você o poder de cura e da maldição, para curar e drogar, envenenar, matar ou viver, sem fim.
Você agora, enquanto eu falo será a divindade da medicina.
A saúde e riqueza irão ocupar os dias de muitos.
A maioria prefere ser saudável a ser rico.
A maioria dos que agora são ricos buscam saúde.
A quem você der saúde, eles irão ter saúde.
Porque é a sua ligação, porque eu digo assim e assim será.
Agora se levante e vá livremente sobre.
Suspenda todos os horrores das epidemias.
Remova a peste.
Combata as doenças contagiosas.
Extingue o fogo da morte arbitrária.
Use seu talento para o benefício de todos e para a glória do meu poder.
Ele então deu Ọbàlúwayè à cápsula da saúde e da morte, que Ọbàlúwayè prontamente ingeriu.
Além disso, ele deu Ọbàlúwayè uma vassoura, como um símbolo de seu poder de limpeza e um pote contendo ervas terapêuticas.
Em seguida, Ọbàlúwayè disse:
Obrigado, meu Senhor.
É pior do que o roubo ser tão ricamente dotado, e não ser eternamente grato.
Ele rapidamente se levantou e foi sobre seu negócio.

Farìoro, você que tem muitas cabaças pequenas cheias de medicinas,
Pessoa que faz medicina eficaz nas pessoas incapacitadas.
Você que come o veneno que não tem efeito sobre você,

Atoto arere!


O Berço.... Continuação - Yemọjá


No quinto dia, Olódùmarè. Chamou Yemọjá e Yemọjá deu um passo à frente.
Ela prostrou-se em kúnlè no palácio real, bem em frente à Olódùmarè. 
Então ela se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de assumir uma posição ajoelhada, diante do trono de Olódùmarè. 
Yemọjá disse: 
Que você possa usar sua coroa real para sempre. 
Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre. 
Olódùmarè. Reconheceu presença Yemọjá acenando com um cetro impecavelmente negro. 
Olódùmarè. Então disse a Yemọjá:
Yemọjá, um peixe como companheira calma como um mar de espera, descansando antes de suas tempestades.
Onde as lagoas encontram os mares. 
Onde os rios se voltam para os deltas é lá você deve colocar a sua estaca (sua marca);
Onde o mar abraça os oceanos, naqueles corredores de transformações.
Lá você deve colocar a sua estaca.
Entre o ser e o estar, nos pântanos entre água e Ayè, lá você deve colocar a sua estaca.
Você agora se tornará o espírito das águas estranhas.
Você será o ponto desconhecido no mar onde os comerciantes se reuniram com a sorte ou o infortúnio.
Você se tornará a chave para a miséria ou a alegria, transformando as correntes que levam os viajantes vestindo trapos às riquezas, quando você sorrirá para os estranhos.
Escolha os seus próprios benfeitores, porque muitos vão te adorar alguns sinceramente, outros mentiram descaradamente.
A canoa dos mentirosos afundará nas redes do sincero barco da riqueza, que é a casa do fundo do mar mais profundo.
Onde quer que você direcione a vela de seu navio, haverá vento para sopra-la.
Haverá muitos peixinhos nadando para acolher a chegada do maior peixe.
Ninguém irá contradizer os seus desejos quando você quiser que seja assim.
Porque é assim que será quando você disser isso. 
Porque eu digo assim.
Agora se levante e vá livremente sobre o seu negócio. 
O firmamento dos mares está à sua mercê. Os navios vão viajar para lá e para cá e os ventos soprarão e as tempestades irão subir. 
O destino dos filhos dos peixes permanece ao teu cargo. 
Use seu talento para o benefício de todos e para a glória do meu poder. 
Olódùmarè então deu Yemọjá à cápsula dos mares, que ela engoliu avidamente. Além disso, Yemọjá recebeu colunas esculpidas em formas femininas, bronzes finamente e então Yemọjá disse: 
Obrigado, meu Senhor. 
É pior do que o roubo, para um ser tão ricamente dotado, não ser eternamente grato. 
Então ela se levantou e foi alegremente sobre seu negócio.

Odò Iyàámi.
Minha mãe que expondo seu poder provoca maremotos e tsunamis.
Minha mãe que troca a cor de uma cabra
Que abençoa sem se mover.
Que provoca a riqueza de seus filhos por simplesmente amá-los.
Minha mãe que gerou vários irunmolé.
Seios fartos que alimentam o mundo.
Você que conhece os mistérios da mente humana.
Você que participa da criação do ser humano.
Mãe da abundância.
Mo juba Iyàámi.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

O Berço.... Continuação Ògún

O amâgo da floresta, a casa de Ògún

No quarto dia, Olódùmarè. Chamou Ògún e Ògún veio a sua frente.
Prostrou-se de bruços, em frente Olódùmarè.
Então ele se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de retornar para a posição de prostração plana, diante do trono de Olódùmarè.
Ògún disse: 
Que você possa usar sua coroa real para sempre. Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre. 
Olódùmarè reconheceu a presença de Ògún acenando um cetro de um negro impecável.
Olódùmarè então disse a Ògún. 
Ògún, oh companheiro afiado e tempestuoso!
Inigualável, és tu entre todas as divindades o espírito destemido e corajoso, alma audaz e guerreira, galantemente galopando no coração da batalha feroz.
Eu te declaro o espírito de todos os guerreiros.
Você se tornou a alma dos soldados, o fogo dentro da bala, a ponto de fazer o dardo voar, enxertado de veneno.
Você, será surdo aos gritos dos covardes, será o patrono de todos os belicistas, o campeão daqueles que lucram quando batalhas acontecem nas cidades.
Combatentes que não ouvem suas advertências pereceram como moscas na batalha.
Somente aqueles que obedecem a seus comandos viveram para contar histórias de guerra. Se assim desejar.
Você poderá salvar a vida do soldado preso.
Mas, como você diz que lucro terá a guerra, se não houver sangue derramado, se não houver alma perdida?
Aqueles que não sabem, estarão cheios de medo de você.
Mas você sabe que não vai descansar, não vai dormir, porque eles sabem quão imprevisíveis é o seu temperamento.
Você vai comandar todos os metais conhecidos e desconhecidos assim como a língua controla as palavras.
Assim você comandará uma guerra,
Você deve conceder colheita abundante.
Porque você, o deus dos massacres e das artes também será a divindade do Ayè (vivos).
Você irá proteger as plantações, os arados e as espadas.
E você equilibrará os assuntos cautelosamente entre os braços da guerra e da paz, a sua vida deve ser uma bebedeira incoerente e instável como uma estrofe gaga dos indisciplinados, cambaleante e volátil, como o rosnar de um animal com raiva.
A quem você desejar poupar na guerra e a outros devorar, afinal você deve beber bastante álcool e quando o dia estiver muito quente, você preferirá se banhar com sangue, desde que você não toque a água.
Quando você transformar Ayè em frentes ferozes de batalha, os corações de fracos e tolos vão deixar de bater, petrificados.
Batalhas nunca mais serão as mesmas novamente, porque você diz que é e assim será porque eu digo que será assim.
Agora, se levante e vá livremente sobre. 
Sensatamente faça as regras dos campos de batalha. 
Acalme os lutadores. Inspire os estrategistas. Proteja a infantaria. Guie o calvário. 
Use seu talento para o benefício de todos para a glória do meu poder. 
Olódùmarè então deu a Ògún a cápsula de guerra e da paz, que Ògún avidamente ingeriu. Além disso, ele deu a Ògún, dezenas de esculturas, de casas, todos os complementos com imagens de caças, de equestre e pedestre.
Então Ògún disse: 
Obrigado meu Senhor. 
É pior do que o roubo, para um ser tão ricamente dotado, não ser eternamente grato. 
Então ele se levantou feliz, e foi sobre o seu negócio diariamente.

Meu pai que desceu a montanha com o corpo em chamas. 
Meu pai que decapitou aqueles que o ignoraram.
Meu pai que por pouco não mata seu próprio pai.
Meu pai que decapitou o carrasco e se tornou o pai da verdade.
Meu pai que não paga para entrar em Ejigbomekun.
Meu pai que não colocou porta em sua casa, para que todos possam entrar.
Aquele que é dono de muitas moradas no Céu.
O cão o acalma!
Pisar em cadáveres de uma guerra é sentimento do dever cumprido.
Seu banho é regado a sangue.
Guardião de nossa estrada.

Ògún Lákayé o, Osín mólè, Alada mèjì.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

O Berço ... continuação - Òsún


No terceiro dia, Olódùmarè chamou Òsun, Òsun veio a sua frente. Ela atirou-se de kunlè no palácio em frente à Olódùmarè. Então ela se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de assumir uma posição ajoelhada, diante do trono de Olódùmarè. 
Òsun disse: 
Que você usará coroa real para sempre. 
Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre. 
Olódùmarè reconheceu a presença de Òsun com um cetro perfeitamente negro. Olódùmarè disse a Òsun:
Òsun, elegante e bela, tão graciosa como os rios e córregos, tão rápida que pode capturar a graça de seu fluxo. Você será a personificação de todos os rios. Você irá representar o rejuvenescimento, a reprodução, a renovação e a reparação. Você, como eu falo, encarnará a restauração, os ciclos e a reciclagem. Continuas sucessões. Você vai encontrar o frio com o toque dos dedos e suas suaves palavras como penas deterão as guerras perniciosas em seus cursos. Seu fluxo de calmaria, no mais quente verão, vai acalmar nervos tensos e agitados com a garantia da terapia que o seu nome irá provocar quando invocado. E aqueles que fazem a poesia não poderão achar palavras bonitas o suficiente ou frases doces ou sonoras suficientemente para cantar seu nome. Aqueles que procurarem seus favores herdarão a abundância. Aqueles que limparem e mantiverem o teu templo limpo, terão seus ventres férteis. Todo aquele que beber da sua água repartirá com você do liquido da própria vida. Você dará o dom da abundância. Quando você disser que sim é porque eu digo sim e assim será. Agora, se levante e vá livremente sobre. Cure os que são estéreis, cuide das necessidades da próxima geração, seja gentil com aqueles que são retos , seja gentil com a graciosidade, promova a moda, abençoe o sofisticado, promova a estranhos, estimule o rejuvenescimento. Use seu talento para o benefício de todos e para a honra e glória do meu poder. Porque eu assim desejo. Olódùmarè então deu a Òsun a cápsula de yoyò, a abundância, que Òsun imediatamente engoliu. Além disso, Òsun recebeu um espelho deslumbrante, confeccionado de bronze requintado, decorado com torções delicadas, algumas esculturas de madeira e um monte de contas raras e conchas.
Então Òsun disse: 
Obrigado, meu Senhor. 
É pior, de longe e mais doloroso do que o roubo, um ser tão dotado não ser eternamente grato. 
Ela se levantou alegremente e foi sobre o seu negócio.

Iyaami adupe pupo.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

O Berço continuação...


No segundo dia, Olódùmarè chamou Òrúnmìlá e Òrúnmìlá veio a sua frente.
Prostrou-se de bruços, em frente à Olódùmarè.
Então ele se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de retornar para a posição de prostração plana, diante do trono de Olódùmarè. 
Òrúnmìlá disse: 
Que você possa usar sua coroa real para sempre. 
Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre.
Olódùmarè reconheceu a presença Òrúnmìlá agitando um cetro perfeitamente negro. Então Olódùmarè disse a Òrúnmìlá.
Òrúnmìlá, o espirito sem osso.
Privilegiado és tu entre todas as divindades.
Porque hoje você estará sendo dotado com o dom da visão e da mística.
Com o uso da mística você vai projetar suas visões e vai refletir perfeitamente as missões de todas as coisas vivas e mortas.
Você foi à única testemunha a todos os eventos presentes e passados.
Seus olhos vão continuar a ver e os ouvidos continuarão a ouvir as marés do tempo no futuro. E apenas em sua mente e apenas em sua visão do passado encontraram o presente e poderão abraçar o futuro, em uma imagem composta. Deixe a visão dispostas em versos poéticos. Eses pintados como a ficção dos Odù tornaram as histórias sobre a qual construirás os tecidos fatuais da vida diária e será assim porque eu digo assim. 
Agora se levante e vá livremente sobre, para se tornar o oráculo divino para toda a gente. Diga-lhes o seu passado, fale de seu presente e revele a todos o seu futuro. 
Use seu talento para o benefício de todos e para a glória do meu poder. 
Olódùmarè deu então a Òrúnmìlá a cápsula da adivinhação, que ele engole avidamente. Além disso, Olódùmarè deu a Òrúnmìlá as bandejas (Opon Ifá), circular, retangular e a triangular, as cordas do Òpèlè Ifá com oito sementes, os Ikin e o iroke intrinsecamente formado de marfim divino, uma bolsa a tiracolo fabricado a partir de miçangas coloridas (Akápò Ifá), um Ifá Àgéré esculpido em madeira dura e irukere.
Então Òrúnmìlá disse: 
Obrigado, meu Senhor. 
É pior do que o roubo, para um ser tão ricamente dotado não ser eternamente grato. 
Então ele se levantou feliz e foi sobre suas tarefas.

O Sábio reinou e reina em nossas vidas, nos aconselhando e nos salvando da doença, da morte, das brigas, das perdas e todos os demais Ajogun que por ventura se aproximarem de nós. 
Epá Odù. Epá Òrìsà!!!!

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Èsù


Continuando: O Berço...

Olódùmarè chamou o primeiro Òrìsà, Èsù, Èsù veio para a sua frente. Ele se prostrou em seu palácio bem na frente de Olódùmarè.
Èsù então se levantou e se ajoelhou para a esquerda, depois para a direita, antes de retornar para a posição de prostração plana, diante do trono de Olódùmarè. 
Èsù disse: 
"Que você possa usar sua coroa real para sempre. Que você pise dentro de seus sapatos reais para sempre”. 
Olódùmarè reconheceu a presença de Èsù agitando um cetro perfeitamente negro
Olódùmarè então disse a Èsù, o ser negro e misterioso. Supremo és tu entre as divindades.
Todos os outros Òrìsà vão olhar para você. Porque hoje eu dou a você o poder final do àse com a qual você irá governar os assuntos de todas as coisas. 
Com àse você irá manifestar o meu poder. 
Com àse eu vou multiplicar sua força. 
O àse de sua voz ecoará nas madeiras dos meus pensamentos. 
O que você sempre disser ao ouvido atento. 
Será preciso ouvir.
Tudo o que você desejar fazer já está feito.
Seu desejo é o comando e absoluto.
Onde quer que você direcione o vento.
Ele vai explodir.
Onde você desejar fluirá rios.
Qualquer coisa é e assim será apenas porque você quer que seja assim.
E assim será e assim será porque eu digo assim.
Agora, se levante e vá livremente sobre. 
Use seu talento para o benefício de todos e para a glória do meu poder. 
Olódùmarè então deu a Èsù a cápsula do àse, que Èsù engoliu avidamente.
Além disso, ele deu a Èsù um elenco de coisas: Ògo, feito a partir de madeira esculpida, búzios, contas, ossos, pedras preciosas, uma blusa grossa, com apliques de búzios, várias esculturas de madeira e domínio sobre tudo colocado na encruzilhada (okoritá metá).
Então Èsù disse: 
Obrigado, meu Senhor. 
É pior do que o roubo, para um ser tão ricamente dotado, não ser eternamente grato. Então ele levantou-se feliz e foi cuidar de suas tarefas.

O portentoso, o Detentor do ase, o Senhor de tudo, o gênio do movimento, o núcleo, o elétron e o próton, ele, a Máquina, aqui vai Vossa Majestade Esù. Epá Obasin. Mo juba Òdàrà!!!!!

domingo, 10 de fevereiro de 2019

O Berço



Antes da hora do nascimento antes mesmo do início da vida, havia Olódùmarè que presidiu as divindades companheiras, os Òrìsà. Também conhecidos como Olu Òrún, Olódùmarè, Àsèdá, Eledá, Atererekaiayè, Òrún Akin e uma série de outros 401 nomes e epítetos lembrados ou esquecidos, Olódùmarè e os Òrìsà são imortais. 
Tempo e espaço não existiam.
Nem escuridão nem luz existiam. Apenas Òrò, ou a voz, que era o filho de Olódùmarè. Nada existia antes de Olódùmarè e os Òrìsà, ele criou o universo (Òrún) e a Terra (Ayè). 
Na madrugada gloriosa da criação, o reino do Òrún sem limites se tornou a casa de Olódùmarè e das divindades. Eram todos iguais. Não havia líder. Nele viveram e dali Ele governou toda a pré-criação, usando o poder de Òrò, a Voz. 
Mas havia um Ayè sem luz, trevas, sem o conhecimento do tempo, dos limites ou de espaço. Olódùmarè e os Òrìsà tomaram a iniciativa. Olódùmarè e os Òrìsà, usando Òrò ou a voz, ordenaram: 
"Haja tempo." 
E o coração da vida começou a bater e o relógio do tempo começou a marcar. 
Depois disso, ele ordenou: 
"Haja escuridão." 
E a escuridão desceu. A escuridão era rica e intensa, avassaladora em sua profundidade e ressonância. Olódùmarè e os Òrìsà viram a beleza de sua plenitude de ébano e declararam a escuridão excelente. 
Eles ordenaram: 
"Depois da escuridão deve vir à luz." 
Eis que inúmeros mega zilhão de raios de luz ofuscante raiaram a partir do coração das trevas. Sua beleza era irresistível, incompreensível, surpreendente, envolvente e penetrante e transformou a aparência de tudo que caiu em cima com o seu brilho gracioso e bonito. E Olódùmarè e os Òrìsà reconheceram sua beleza superior. 
Então eles disseram: 
"Você é a luz da manhã, cujo nome será Amanhecer ou Peregede, a mãe do Anoitecer. Fora da escuridão você nasceu e de seu ventre você deve ciclicamente voltar a renascer diariamente”. 
Sempre que amanhecer retornará o crepúsculo e depois a noite prevalecerá na escuridão e estará sobre a face de toda a vida. 
E sempre que a noite sair a Aurora do dia prevalecerá e a luz estará sobre a face de toda a vida. E eles pintaram o Òrún com as cores de Òsumarè (arco-íris), o Òrìsà das cores, assim, por vezes, a cor do Òrún é branco e às vezes azul, às vezes, laranja com tons de roxo, às vezes de ouro e por vezes negro, às vezes vermelho com matizes de luz.
E usando a névoa de sua respiração, ele criou a chuva e a chuva caiu. A precipitação desceu em torrentes e logo cobriu a face do mundo, formando-se o oceano. 
Olókún, o Òrìsà do mar, optou por afastar-se do Òrún para se pronunciar sobre as águas do mar e todas as outras águas do Ayè, fossem eles riachos ou rios, córregos ou lagos, lagoas ou poças. Todo o Ayè estava cheio de oceanos e mares, não havia terra e a água era encontrada em toda parte. Olódùmarè e os Òrìsà beberam da água e o sabor era puro, revigorante e saudável.
Eles disseram: 
Este é o líquido da vida. O antídoto para todos os males. E a água tornou-se o líquido mais importante do Òrún e do Ayè.
E Olódùmarè e os Òrìsà estavam felizes com a maneira como as coisas estavam, exatamente do jeito que ele as criou. Então ele decidiu distribuir poderes entre todos os Òrìsà, de modo que Olódùmarè poderia se aposentar, de uma vez por todas, apenas para interferir quando extremamente necessário.

Ase.
Ire alaafia